FAQ

Instituto E+ é uma iniciativa do Instituto Clima e Sociedade (iCS) que nasceu para tornar-se mais tarde uma organização independente, com time interdisciplinar que fornece análises, estudos e ideias sobre desafios das conjunturas política e econômica, com foco na transformação energética brasileira. A atuação de E+ parte da identificação de tendências e barreiras à construção de um setor de energia brasileiro com baixa emissão de gases de efeito estufa (GEE). Além disso, avalia também as contribuições desse setor para os demais setores econômicos nessa mesma direção.

 

Além de estruturante no desenvolvimento, a energia é um dos motores da economia global. Por seu pioneirismo na geração de energia de baixo carbono, o Brasil tem vocação para posicionar-se na liderança da transição energética que envolve diferentes atores direta ou indiretamente implicados na formulação de políticas públicas nesse campo. As decisões no presente no Brasil e no mundo produzirão efeitos no longo prazo. É fundamental que sejam tomadas com base em conhecimento científico sólido e por meio de diálogos amplos, inclusivos, plurais e independentes. Instituto E+ Diálogos Energéticos se propõe a ser este espaço de diálogo qualificado sobre a transição energética, voltado para potencializar tanto a evolução sistêmica quanto a evolução energética integrada, dinâmica e eficiente no Brasil.

 

O Instituto E+ está comprometido em colaborar com a transição energética brasileira dentro de princípios técnicos, econômicos, regulatórios e financeiros. Seu principal papel nesse processo é alcançar a convergência de posições entre tomadores de decisão de esferas públicas e privadas, sobre os desafios oriundos dessa transformação. Isso requer o debate permanente entre atores relevantes da política energética, em direção a decisões democraticamente construídas, capazes de influenciar decisões políticas rumo aos benefícios para o país.

 

A transição energética trata de um processo de transformação profundo nas estruturas econômica, social e política no país, e o maior desafio brasileiro nesse processo é equalizar diferentes visões, necessidades e prioridades para que esta transformação seja possível dentro de princípios técnicos e econômicos e assim com benefícios para toda a sociedade. O desafio do Instituto E+ está em identificar e buscar respostas pragmáticas sobre quais desafios precisam ser superados, quais tarefas são fundamentais e quais são as soluções economicamente eficientes e concretas para essas questões.

 

Ao organizar e oferecer conhecimento, promover diálogos qualificados e permanentes, formular e compartilhar propostas viáveis, com rigor científico e propostas de políticas públicas respaldadas pelo processo de construção e inteligência coletivos, o E+ contribui para que o Brasil encontre os caminhos para superar barreiras à construção de um setor energético de baixo carbono, inovador, dinâmico, eficiente e integrado.

 

Nossa equipe, formada por perfis e expertises diversos, interage com stakeholders e especialistas de todos os setores envolvidos na transição energética no Brasil e no mundo. Nessa interação, produz, reúne e disponibiliza estudos com base em conhecimento técnico-científico sólido, que subsidiam a tomada de decisões. Ao mesmo tempo, o E+ Painel, que reúne renomados especialistas brasileiros, identifica e antecipa questões fundamentais relativas a esta transformação que precisam ser respondidas para formular e antecipar soluções com impactos de longo prazo.

 

O E+ Painel é diverso em sua composição, para que seja representativo em todos os setores, e atua como um conselho consultivo que indica as tarefas mais urgentes, das quais decorre uma agenda de política energética com impacto relevante no longo prazo.

 

Instituto E+ é financiado por recursos de fundações e organismos internacionais captados pelo Instituto Clima e Sociedade, organização filantrópica que destina recursos de financiadores a iniciativas voltadas para a discussão da transição energética.

 

Por não estar subordinado a empresas ou ao governo, o E+ atua com isenção e independência, sempre apoiado na pluralidade de visões, no diálogo e no rigor científico como base para o desenvolvimento.